Armazém dos Óculos topo
Supermercado Comin topo
Odontologia Pacheco
Funerária Scopel topo
Quality Solar topo
Mercado Pereira topo
HB Informática 1
Restaurante Alvorada topo
Techy Internet topo
Kika Restaurante topo
Móveis Incomaba topo
Farmácias São Miguel topo
Sicredi topo
Marmoraria Felicetti topo
Loja Sol topo
E.B Instalações Elétricas topo
Agropecuária

Extremo Oeste registra déficit de 580 milímetros de chuva em 15 meses

A orientação é fazer um replanejamento das atividades, além da reorganização do sistema de disponibilidade de água

28/10/2020 08h23
Por: Redacao
Fonte: Assessoria de Comunicação
52
Condição do tempo se deve ao fenômeno La Niña (Foto: Internet)
Condição do tempo se deve ao fenômeno La Niña (Foto: Internet)

A queda dos índices pluviométricos durante a primavera vem preocupando o setor da agricultura da região Extremo Oeste. Na manhã de ontem, o Colegiado da Agricultura da Associação dos Municípios do Extremo Oeste de Santa Catarina (Ameosc) se reuniu virtualmente com secretários dos municípios abrangidos, técnicos da Defesa Civil, o pesquisador da área de hidrologia da Epagri Ciram, Guilherme Miranda Júnior, o coordenador da Sala de Situação, o meteorologista Clóvis Correia e o coordenador regional da Defesa Civil, Sidinei Desordi.

Além do diagnóstico dos índices de chuva dos últimos meses na região, os participantes ainda discutiram sobre as previsões para os próximos meses. Segundo os pesquisadores, há um déficit de precipitação pluviométrica de 580 milímetros no período de junho de 2019 até outubro deste ano.

No entanto, as previsões para os próximos três meses não são animadoras e os índices devem permanecer abaixo da média. Os pesquisadores explicam que a condição do tempo se deve ao fenômeno La Niña, o qual consiste na diminuição da temperatura da superfície das águas do Oceano Pacífico Tropical Central e Oriental.

A ocorrência do fenômeno gera uma série de mudanças significativas nos padrões de precipitação e temperatura em todo o planeta. No caso da região, o baixo volume de chuva se dá porque o La Niña interfere no volume das correntes de vento úmidos oriundos da Floresta Amazônica para o Extremo Oeste.

A orientação da Defesa Civil para o setor da agricultura dos municípios é fazer um replanejamento das atividades, além da reorganização do sistema de disponibilidade de água. A probabilidade, segundo os especialistas, é de que períodos de estiagem ocorram com maior frequência e em períodos atípicos, como é o caso desta primavera na região.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários