Armazém dos Óculos topo
Sicredi topo
Loja Sol topo
Kika Restaurante topo
Mercado Pereira topo
Odontologia Pacheco
Restaurante Alvorada topo
Quality Solar topo
Farmácias São Miguel topo
Campos Auto Center topo
Techy Internet topo
Supermercado Comin topo
Funerária Scopel topo
HB Informática 1
E.B Instalações Elétricas topo
Marmoraria Felicetti topo
Móveis Incomaba topo
Agropecuária

Com graves prejuízos pela estiagem, Ameosc solicita auxílio ao Governo do Estado e Defesa Civil

Em toda a região, são mais de 12 mil famílias que trabalham e vivem no campo, produzindo alimentos e contribuindo com o desenvolvimento do Estado

09/11/2020 14h50
Por: Redacao
Fonte: Assessoria de Comunicação
93
As plantas estão secando devido ao stress hídrico e a produção de leite é uma das atividades mais atingidas com a falta de chuvas (Foto: Assessoria de Comunicação)
As plantas estão secando devido ao stress hídrico e a produção de leite é uma das atividades mais atingidas com a falta de chuvas (Foto: Assessoria de Comunicação)

Os prejuízos ocasionados pela estiagem e a preocupação com as previsões pluviométricas nada animadoras para os próximos meses, levou a Associação dos Municípios do Extremo Oeste de Santa Catarina (Ameosc) a endereçar um ofício ao Governo do Estado na última semana. Os prejuízos na produção agropecuária são incalculáveis nas culturas de milho e soja, além da precária germinação das sementes. As plantas estão secando devido ao stress hídrico e a produção de leite é uma das atividades mais atingidas com a falta de chuvas. Além da falta de água disponível ao consumo dos animais, a falta de alimentos é eminente.

O documento é um apelo dos 19 municípios da região por destinação de recursos financeiros e medidas que possam auxiliar tanto os municípios quanto as famílias de produtores a contornarem esse momento de dificuldade. Além da governadora em exercício, Daniela Reinehr, também foram oficiados o secretário de Estado da Agricultura, Ricardo Gouvêa, e o chefe da Defesa Civil de Santa Catarina, Aldo Baptista Neto.

Conforme o documento, em toda a região, são mais de 12 mil famílias que trabalham e vivem no campo, produzindo alimentos e contribuindo com o desenvolvimento do Estado. O pedido é por “apoio à estas famílias que vem sofrendo com o aumento das perdas de produção agropecuária e na obtenção de água potável para os animais, especialmente na produção de suínos, aves e de gado de leite”.

Entre os pedidos estão:

-Auxílio na destinação de recursos financeiros para a realização do transporte de água bruta e potável;

- Auxílio para contratação de máquinas e equipamentos para abertura de bebedouros e demais reservatórios de água;

- Aquisição de caixas para armazenamento de água;

- Aquisição de kit de bombeamento de água dos reservatórios ou rios para os pontos de necessidades de água, seja para propriedades rurais ou ao consumo humano;

- Perfuração de poços artesianos e instalação de redes de canalização de água.

A necessidade se justifica devido ao baixo índice pluviométrico que se acumula na região desde o mês de abril de 2019. Nos últimos 12 meses, houve uma diminuição de mais de 700 milímetros de chuva em relação à média dos anos anteriores. Além disso, as previsões pluviométricas para os próximos cinco meses seguem abaixo da média. O documento foi assinado pelo presidente da Ameosc, prefeito de São José do Cedro, Plínio de Castro, em nome de todos os prefeitos da região.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários