Domingo, 11 de Abril de 2021 00:52
(49) 99173 6876
Geral Geral

Entidades empresariais manifestam apoio ao decreto do Governo do Estado

Decreto suspende o funcionamento de serviços não essenciais das 23h de ontem até as 6h de segunda-feira, 1º de março, e no próximo fim de semana

27/02/2021 14h57
162
Por: Redacao Fonte: Assessoria de Comunicação
As entidades destacaram que o setor produtivo tem adotado, desde o início da pandemia, todos os cuidados e protocolos de proteção da saúde (Foto: Divulgação)
As entidades destacaram que o setor produtivo tem adotado, desde o início da pandemia, todos os cuidados e protocolos de proteção da saúde (Foto: Divulgação)

Entidades catarinenses manifestaram apoio neste sábado, 27 de fevereiro, às medidas de enfrentamento à Covid-19 adotadas pelo Governo do Estado. Os representantes de diversos segmentos econômicos defenderam as determinações do decreto 1.172, que suspende o funcionamento de serviços não essenciais das 23h de ontem até as 6h de segunda-feira, 1º de março, e no próximo fim de semana.

As entidades destacaram que o setor produtivo tem adotado, desde o início da pandemia, todos os cuidados e protocolos de proteção da saúde. O Conselho das Federações Empresariais de Santa Catarina (Cofem) manifestou seu apoio às medidas restritivas previstas nos dois decretos do Governo do Estado. O Cofem defendeu, em nota, que, “com a devida observância dos protocolos sanitários, a segurança dos trabalhadores é garantida e que a adoção de um lockdown completo não é a melhor resposta para enfrentar o agravamento da pandemia”.

O Conselho é composto pelas Federações das Indústrias (Fiesc), do Comércio (Fecomércio), da Agricultura (Faesc), dos Transportes (Fetrancesc), das Associações Empresariais (Facisc), das Câmaras de Dirigentes Lojistas (FCDL), das Micro e Pequenas Empresas (Fampesc), além do Sebrae-SC.

“A vida está sempre em primeiro lugar. Não há contradição entre a manutenção da atividade fabril e a proteção à saúde das pessoas. Os profissionais estão seguros dentro das fábricas, pois os protocolos são rigorosos e seguidos à risca. A indústria está comprometida com a sociedade e desde o início da crise desenvolveu inúmeras ações de apoio”, disse o presidente da Fiesc, Mario Cezar de Aguiar.

Ele também lembrou que a atividade industrial faz parte de uma cadeia essencial, e, por isso, sua interrupção teria graves consequências, inclusive para produção de alimentos, bebidas, embalagens e outros itens necessários ao enfrentamento da pandemia.

Para o presidente da Federação das Associações Empresariais de Santa Catarina (Facisc), Sérgio Rodrigues Alves, é necessário primeiro avaliar os resultados alcançados com o decreto em vigor. “Vamos aguardar os resultados do atual decreto para depois, caso não tenha surtido efeito desejado adotar medidas mais duras”. Na sexta-feira, 26, a Facisc emitiu um comunicado apoiando o decreto do Governo do Estado. A entidade congrega 148 associações empresariais e mais de 34 mil empresas em Santa Catarina.

A Federação das Empresas de Transporte de Carga do Estado de Santa Catarina (Fetrancesc) também reiterou o posicionamento do Governo do Estado. Em nota, a Federação apoia as restrições nos fins de semana, por considerar o período com maior número de aglomerações clandestinas.

“A contaminação não vem só de quem trabalha, aliás quem trabalha gera economia para o custeio das atividades do Estado. Creditamos o maior contágio ao convívio social indiscriminado e irresponsável”, declara o texto.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias