Lifetycon Investimentos topo
Despachante Pedrinho topo
Balneário e Camping Barra do veado topo
Marmoraria Felicetti topo
Campos Auto Center topo
Funerária Scopel
Móveis Incomaba topo
Supermercado Comin topo
Loja Sol topo
Armazém dos Óculos topo
Sicredi topo
Quality Solar topo
Saúde

Saúde orienta como evitar acidentes com animais peçonhentos

Em Santa Catarina, durante o ano de 2019 foram registrados 8.678 acidentes por animais peçonhentos

13/01/2020 17h40
Por: Redacao
Fonte: Assessoria de Comunicação
132
Saiba o que fazer ou não em caso de acidentes e como evitar (Foto: Assessoria de Comunicação)
Saiba o que fazer ou não em caso de acidentes e como evitar (Foto: Assessoria de Comunicação)

Durante a estação mais quente e uma das mais chuvosas do ano, aumenta o número de acidentes com animais peçonhentos, tanto em áreas urbanas quanto rurais. Por isso, a Secretaria de Estado da Saúde (SES), por meio da Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (Dive/SC), orienta a população em relação aos riscos neste período. Nas regiões onde há enchentes, o potencial de acidentes é ainda maior, pois os animais são obrigados a deixar seu habitat em busca de um novo local, refugiando-se, muitas vezes, dentro das casas.

“A maioria dos acidentes com animais peçonhentos é registrada no verão, porque é neste período que existe um aumento da realização de atividades ao ar livre, como ir à praia e fazer trilhas. Além de limpezas de habitações, quintais e terrenos, coincidindo justamente com a época em que há deslocamento dos animais peçonhentos para alimentação e reprodução”, explica Alexandra Pereira, médica veterinária da Gerência de Vigilância de Zoonoses da Dive/SC.

Em Santa Catarina, durante o ano de 2019 foram registrados 8.678 acidentes por animais peçonhentos, segundo dados preliminares do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), que ainda podem sofrer alterações. Durante a última temporada de verão, ou seja, entre os meses de dezembro de 2018 a março de 2019, foram registrados 4.244 acidentes por animais peçonhentos, o que representa 48,9% das notificações do ano.

Do total de acidentes registrados em SC em 2019, aproximadamente 70% (6.116) deles foram por aranhas, seguidos por abelhas (915) e serpentes (637). Já em relação a lesões por águas-vivas, registradas pelo Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina, foram 58.770 ocorrências.

No caso de picadas ou mordeduras, a vítima deve procurar atendimento médico no serviço de saúde mais próximo nas primeiras horas após a ocorrência. A referência para atendimento de acidentes por animais peçonhentos no estado é o Centro de Informação e Assistência Toxicológica de Santa Catarina (CIATox/SC), com funcionamento 24 horas pelo telefone 0800 643 5252.

O que fazer em caso de acidentes

• Manter a vítima calma e deitada;
• Tentar manter a área afetada no mesmo nível do coração ou, se possível, abaixo dele;
• Evitar que a vítima se movimente para não favorecer a absorção do veneno;
• Localizar a marca da mordedura e limpar o local com água e sabão e cobrir com um pano limpo;
• Remover anéis, pulseiras e outros objetos que possam garrotear (apertar a circulação), em caso de inchaço do membro afetado;
• Levar a vítima imediatamente ao serviço de saúde mais próximo, para receber o tratamento necessário;
• Se possível, levar o animal para que seja identificado e para que a vítima receba o soro antiveneno específico.

O que não fazer

• Não fazer torniquete - isso impede a circulação do sangue e pode causar gangrena ou necrose local;
• Não cortar o local da ferida, para fazer 'sangria';
• Não aplicar folhas, pó de café ou terra sobre a ferida, pois pode provocar infecção.

Como evitar acidentes

• Utilizar equipamentos de proteção individual (EPIs) no manuseio de materiais de construção, lenhas, móveis, em atividades rurais, limpeza de jardins, quintais e terrenos, etc.;
• Observar com atenção os locais de trabalho e de passagem;
• Não colocar as mãos em tocas, buracos e espaços entre lenhas e pedras (utilizar ferramenta);
• Evitar aproximação de vegetação rasteira ao amanhecer e ao anoitecer (período de maior atividade de serpentes);
• Não mexer em colmeias e vespeiros (chamar órgão responsável);
• Inspecionar antes do uso roupas, calçados, roupas de cama e banho, panos e tapetes; afastar camas das paredes;
• Não depositar lixo, entulho e materiais de construção junto às habitações;
• Evitar que plantas e folhagens se encostem nas casas;
• Fazer controle de roedores (servem de alimento para serpentes);
• Evitar acampar em áreas onde há roedores e serpentes;
• Não fazer piquenique às margens de rios, lagos e lagoas, e não se encostar em barrancos durante pescarias;
• Limpar regularmente e com EPIs móveis, cortinas, quadros, paredes e terrenos baldios;
• Vedar frestas, buracos, portas, janelas e ralos;
• Manter limpos jardins, quintais, paióis e celeiros;
• Combater insetos (especialmente baratas que servem de alimento para escorpiões e aranhas);
• Preservar predadores naturais dos animais peçonhentos.

 

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários